E se…

E se nos encontrássemos entre as ruas da cidade, você reconheceria meu rosto novamente? Ou se estivéssemos no parque, livremente em cima de uma bicicleta, com o vento sobrando em nossos rostos, cabelos esvoaçantes, desviando das pessoas a nossa frente, você reconheceria meus olhos novamente? E se nos conhecêssemos de novo, naquela loja de discos velhos e usados, com o cheiro de mofo invadindo nossas narinas e o som da mesma canção penetrando em nossos  tímpanos e chegando ao cérebro, você reconheceria minha voz novamente? Se os anos não estivessem sido tão cruéis conosco, você ainda estaria deitado no meu sofá, numa tarde de domingo, com a barba para fazer? Mas se eu não tivesse sido tão rude, você ainda faria as mesmas coisas, que fez para me ver feliz? Estaria do meu lado, como quando cortei o dedo preparando nosso jantar, ou quando cortei meu cabelo igual ao teu?

Costumávamos, na maior parte do tempo, rir do vento que invadia a sala de estar e espalhava nossas fotos sobre a mesa. Gostávamos de ficar acordados até tarde, com meia luz no quarto. Era assim que nos abríamos um com o outro…

Mas o tempo foi gastando nossa amizade. Era como se centenas de serpentes nos rondassem a todo tempo. Era preciso tomar cuidado para não entrar em nenhum labirinto secreto, da nossa sala de estar. As palavras que antes curavam, agora doíam mais que dezenas de facas entrando por todo seu corpo, e te matando aos poucos. Mas o silêncio foi crucial. Foi ele quem calou nosso amor de vez.

Daí me pergunto: se você ainda estivesse aqui, como eu estaria? Feliz, triste, alegre, deprimida, eufórica, tensa, solitária… Ai me vem outras perguntas: e se nos conhecêssemos novamente, escreveríamos a mesma história ou mudaríamos algum ponto final, ou colocaríamos uma vírgula em outro lugar? E se o final não fosse o final, teríamos uma nova chance e você reconheceria os meus sentimentos, novamente? E se a culpa fosse minha, você voltaria a viver na nossa montanha-russa particular, sem pensar o que os outros acham sobre isso? Você estaria aqui novamente? E se eu cantasse para você, você deitaria no meu colo chorando como fez centenas de vezes? Você saberia me amar, como amou? Mudaria seu nome, para que pudéssemos fugir para um lugar onde pudéssemos infringir todas as leis, só para estarmos mais perto do céu? E se eu fosse a princesa que você tanto queria, você estaria me esperando em cima de um cavalo branco, na porta de casa? E se… E se eu dissesse que ainda te amo, você tocaria a campainha, como está fazendo?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s